Radio Grooveshark

terça-feira, 22 de abril de 2014

Auto-retrato


Auto-retrato

Do tudo sou o nada
da flor, o espinho
na guerra sou a paz
da amizade sou o carinho
da riqueza sou pobreza
escrava e capataz
na dúvida sou a certeza
das folhas sou o outono
da primavera o beija-flor
no escuro, sou lápis de cor
da mãe, sou o desgosto
dos filhos, sou o oposto
e do marido, o recosto
do corpo sou o cansaço
da saudade sou o abraço
do fogo, sou paixão
da paixão, sou amor
do amor, a alegria
também sei ser dor
desalento e saudade
e da saudade, a solidão
da fantasia sou a verdade
e da verdade a ilusão
do equilíbrio sou o destoar
na noite silenciosa
sou a canção de ninar da mãe amorosa
mudo de personalidade
dependendo do momento
ou da necessidade
mas em nada diminuo
nem acrescento
sou mulher recatada
mas, quando apaixonada
torno-me indecente
...incandescente...
delicada e inconsequente
da festa sou apenas lembrança ofuscada
do arco-íris sou a cor reluzente
na multidão, sou ninguém
da poesia sou loucura e refém
do poeta, sou os devaneios
do biscoito, o recheio
da vida sou nuvem passageira
na profissão, enfermeira!


Sandra L. Felix de Freitas®